Escultura no Picadeiro

das 10h00 às 18h00

Picadeiro da Escola Politécnica da Universidade de Lisboa

_
Exposição que reúne 32 obras de 31 autores, organizada pelo Armazém das Artes em parceria com a Universidade de Lisboa.
"(...) As peças expostas representam um significativo leque de artistas, podendo ser apreciadas obras feitas nos anos 60 e outras feitas já este ano, propositadamente para participarem nesta exposição.
Foi nossa intenção mostrar obras de escultores do século XX, mas também obras de escultores em início de carreira que, no seu conjunto, conseguem dar uma panorâmica de 50 anos de escultura portuguesa."
José Aurélio
Entrada:
Exposições

O Antigo Picadeiro do Colégio dos Nobres recebe a exposição ESCULTURA NO PICADEIRO realizada em parceria com o Armazém das Artes, com a direcção do escultor José Aurélio.

São 31 os artistas que vão participar nesta mostra: Alberto Carneiro, Álvaro Carneiro, Ângelo de Sousa, António Areal, Carlos Barreira, Cruzeiro Seixas, Eduardo Nery, Espiga Pinto, Gonçalo Traquino, Gustavo Bastos, Isabel Garcia, Jorge Pinheiro, Jorge Vieira, José Aurélio, José Teixeira, lagoa Henriques, Luís Plácido Costa, Maria Olávia, Martins Correia, Os Quatro Vintes, Rita pimenta, Rogério Ribeiro, Rui Abreu, Rui Chafes, Rui Sanches, Rui Vasquez, Sara Matos, Sérgio Vicente, Virgílio Domingues, Virgínia Fróis e Zulmiro de Carvalho, estarão expostas esculturas realizadas nos anos 60 até aos nossos dias.

A exposição poderá ser visitada até dia 25 de Abril.

Na escultura, procuramos desde o mais pequeno e efémero apontamento – uma gota de água pode ser um objecto artístico – até à presença forte de um David ou de uma Pirâmide levantada no deserto.

A escultura está no tempo, trabalha-o, molda-o, dá-lhe uma forma que nos inscreve numa relação que é sempre contemporânea. Somos nós, hoje, que vemos as obras e nelas encontramos as perguntas que nos inquietam.

A escultura está no espaço, e sobretudo no espaço público. Desdobra-se em leituras e interpretações do mundo. Como se cada obra provocasse um efeito de refracção. Cada perspectiva que entra no prisma dá origem a várias perspectivas. O espaço torna-se habitado de outra maneira. Os lugares transformam-se noutros lugares.

António Sampaio da Nóvoa
Reitor da Universidade de Lisboa

voltar